China bloqueia buscas no Google Hong Kong

«

»

mar 24

China bloqueia buscas no Google Hong Kong

A China não esperou nem 24 horas da decisão do Google de suspender a censura e começou a bloquear as buscas por temas que considera sensíveis no site do Google Hong Kong.

Na segunda-feira, o Google anunciou que estava fechando seu site na China devido à censura e trasferindo as buscas para seu site em Hong Kong, que, embora faça parte da China, não tem restrições à internet.
De acordo com o americano Washington Post, buscas sobre temas como o Massacre da Praça da Paz Celestial, em 1989, ou a seita Falun Gong feitas em Pequim resultaram numa tela em branco ou numa mensagem de erro. Mais cedo as buscas geravam resultados, mas os links estavam bloqueados.
Ainda nesta terça-feira TOM Online, uma companhia de internet de Hong Kong, anunciou que deixará de usar o Google como mecanismo de busca. Duas grandes companhias telefônicas estatais chinesas – China Mobile, com 500 milhões de usuários, e China Unicom, a segunda maior do país – também anunciaram planos de rever seus contratos o gigante americano de internet. A China Mobila usa as buscas do Google em sua página principal enquanto a China Unicom tinha planos até agora de usar a plataforma Android em seus celulares.

Entenda a crise
Na segunda-feira, o Google anunciou que havia fechado o site Google.cn e que as buscas seriam desviadas para o Google.com.hk, baseado em Hong Kong e livre da censura imposta pelo governo chinês desde 2006. Hong Kong, uma ex-colônia britânica, pertence à China, mas conta com maior liberdade – incluindo internet não censurada – do que o resto do país.
O Google mantém no ar uma página em que mostra quais de seus serviços ainda estão disponíveis e aqueles completa ou parcialmente bloqueados na China.
A censura da internet se tornou uma fonte de tensões entre China e Estados Unidos, com a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, lançando um chamado em janeiro pela defesa da liberdade na internet em todo o mundo, citando a China, entre outros países, como exemplo.
Em 12 de janeiro, o Google anunciou ter sofrido um ataque de hackers. A Contas do Gmail pertencentes a vários ativistas chineses de direitos humanos foram violadas. Na sequência dos acontecimentos o gigante da internet anunciou que deixaria de censurar os resultados das buscas em sua versão em mandarim. Desde a chegada do Google à China, em 2006, temas como o Massacre da Praça da Paz Celestial, a seita Falun Gong e a luta pela libertação do Tibet eram censurados no serviço de buscas e também em concorrentes, como o Bing.
Além do Google, os ataques tiveram como alvo outras 31 empresas, além do Google. O governo americano participou das investigações, que apontaram duas escolas chinesas como a fonte. O governo de Pequim nega as acusações.

FONTE/AUTOR: Terra

Textos Relacionados:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>