Dez Tendências de Aplicativos de Negócios para Tablets

«

»

nov 21

Dez Tendências de Aplicativos de Negócios para Tablets

Em simpósio na Austrália, analista do Gartner faz análise do mercado de mobilidade e identifica as principais tendências de aplicativos

Aplicações para tablets estão deixando de ser uma ferramenta de produtividade pessoal para, cada vez mais, ganhar o mundo corporativo, com aplicativos gerenciáveis e seguros que colaboram com iniciativas empresariais. Esta foi a afirmação de David Willis, vice-presidente e analista do Gartner, durante Gartner Symposium ITxpo 2011, realizado em Gold Coast, na Austrália.

Dez Tendências de Aplicativos de Negócios para Tablets
crédito da foto : ThinkPhoto

Willis relembrou que as aplicações comerciais nas diversas lojas de aplicativos foram desenvolvidos com base em ferramentas de produtividade pessoal, os quais eram baratos e os usuários podiam testá-los livremente. Em comunicado, o VP afirmou que, hoje, os grandes fornecedores de softwares levam o tablet a sério. Para ele, na medida em que os tablets se tornam mais comuns, fornecedores de ERP, CRM, entre outras soluções, pensam em vender tablets com versões dos seus aplicativos.

Ainda segundo o Gartner, a média mundial de vendas de tablets para usuários finais será de 63,6 milhões de unidades em 2011, o que representa aumento de 261.4% em relação a 2010, quando foram comercializadas 17,6 milhões de unidades. O estudo também concluiu que as vendas vão continuar apresentando forte crescimento, podendo alcançar a marca de 326,3 milhões de unidades até 2015. Willis prevê que, em 2016, mais de 900 milhões de tablets estarão nas mãos dos usuários. Com o aumento das vendas, os consumidores tendem a levá-los ao local de trabalho e usá-los em suas tarefas. Este movimento, muitas vezes, é liderado pelos próprios executivos que preferem usar tablets para distribuição de material em reuniões de diretoria, por exemplo. Porém, outras áreas como vendas, marketing e saúde usam essas ferramentas no seu dia a dia.

As vendas de tablets e smathphones vai serão 44% maior do que o mercado de PCs em 2011, segundo previsões do Gartner. Até o fim de 2014, a base instalada de dispositivos baseados em sistemas como iOS, Android e Windows 8 deverá exceder o total de todos os sistemas pensados em PC.

Segundo dados do Gartner, as 10 principais categorias de aplicações de negócio para dispositivos móveis são:

1. Automação do sistema de vendas para efeito de garantia aos consumidores, apresentação de vendas e sistemas de encomenda

2. Inteligência de negócio: aplicação analítica e de desempenho com painéis de gerenciamento

3. E-mails contentores para separar mensagens corporativas dos ambientes de e-mail pessoal

4. Aplicativos de colaboração para reuniões

5. Utilitários para compartilhamento de documentos e distribuição de documentos

6. Aplicações corporativas gerais e aplicações governamentais para CRM, ERP, SCM e mensagens

7. Sistemas de suporte hospitalar para médicos, enfermeiros e fisioterapeutas

8. Agentes de hospedagem de desktop virtual para oferecer seguro de operações remotas de aplicações em desktops tradicionais e outros ambientes

9. Aplicativos de rede social com inteligência de negócio

10. Livros de bordo para assegurar documentos e relatórios de distribuição

Willis avalia que existem ‘progressos rápidos’ altamente visíveis para tablets, tais como livros de bordo e automação de venda, os quais os CIOs podem usar para abrir novos caminhos. Ele frisa, no entanto, que nem todos os aplicativos para tablets são criados iguais do ponto de vista empresarial, neste caso, as empresas devem avaliar as funcionalidades e processos de integração de negócios e de sistemas, arquitetura de segurança, entre outros.

Fonte/Autor: Information Week

Textos Relacionados:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>